sexta-feira, 17 de abril de 2015

Haroun e o Mar de Histórias

    Livro: Haroun e o Mar de Histórias
    Autor: Salman Rushdie
    Ano: 1990
    Editora: Companhia das Letras
    Edição: - (abril de 1998)
    Páginas: 264 (12 cap.)
    Gênero: Fantasia

    Em sua obra, Rushdie nos narra as incríveis aventuras do menino Haroun Khalifa e seu pai Rashid, que vivem em uma cidade muito triste localizada em um mundo diferente e fantático. Bem, tudo começa quando Rashid, que é um grande contador de histórias e conhecido por como o Mar de Histórias, ou como o Xá do Blablablá, perde seu dom de contar histórias em consequência de muitas tritezas e desilusões.
    Mas, acontece que, como o Sr. Rashid é uma pessoa muito conhecida e frequentemente convidado para entreter e ludibriar multidões à serviço de políticos mau-caráteis, ele vai com Haroun até o Vale de K para atender aos pedidos de um candidato mau intencionado, chamado MasDemais. Chegando lá ele se mete em uma grande enrascada, pois como não consegue mais contar histórias é ameaçado de morte.
    Então, para salvar a si e a seu pai, Haroun embarca em uma épica jornada por um mundo novo e fantástico. Onde ele descobre a existência do Mar de Fios de Histórias, a fonte de todas as histórias, e criaturas e seres mágicos. Sem falar nos habitantes de Gup e Tchup, as terras da Zona da Luz Perpétua e a Zona da Noite Eterna.
                             
    Mas, de repente Khattan-Shud, o Inimigo da Fala e Príncipe do Silêncio, rapta aprincesa Batchit e dá início ao seu terrível plano de destruir o Mar de Histórias. E para conter o perverso Haroun e seus amigos Iff, o Gẽnio da Água, MasMas, o Gavião-Avião, entre outros, partem em uma difícil missão em defesa do bem. Nessa jornada o jovem menino deverá provar sua bondade e coragem para então conseguir salvar algo tão precioso, como a liberdade e a imaginação.
    Gostei muito da obra. Confesso que no início achei-a um pouco chata, mas no decorrer da história fiquei muito impressionado  e encantado. O enredo e a trama são cuidadosamente arquitetados e muito originais. Pertencente a literatura indiana o livro possui uma tragetória surpreendente envolvida no seu processo de criação.
    Meu trecho preferido é este:
    "...'O mundo, porém, não é feito para ninguém se divertir', respondeu Khattan-Shud. 'O mundo é feito para se controlar.'
                                                                         ...
         'Todos eles existem para serem dominados. E dentro de cada história, existe um mundo, um mundo de histórias, que eu nã consigo dominar..." (pg. 191-192)
    O melhor capítulo, na minha opinião, é: 10. O desejo de Haroun.
    O personagem mais legal, na minha opinião é claro, é Haroun, pois mesmo diante tantos obstáculos ele faz uso de sua esperteza e bondade para vencer todos.

    P. S.: Gostaria de agradecer à minha professora de Língua Portuguesa e Inglesa, Márcia Decarli, pelo empréstimo do referente livro. Pois além dela ser uma pessoa muito legal é bem versada em literatura.

    Nível de Recomendação: 9,5;
    Capa: 6;
    Enredo: 9;
    Trama: 9;
    Desfecho: 10;

2 comentários:

  1. Parece ser um livro incrível. Pretendo lê-lo futuramente, pois nunca i nada de literatura indiana.

    ResponderExcluir
  2. Sim, realmente é legal. No começo parece bem infantil e chato, mas depois fica bem cativante. Uma leitura recomendável.

    ResponderExcluir